Educação infantil

O ser humano é humano na medida em que cria, de dentro para fora, pensamentos, sentimentos, ações. E o início dessas criações é o brincar.

Ute Craemer, educadora

Educação infantil

“O ser humano é humano na medida em que cria, de dentro para fora, pensamentos, sentimentos, ações. E o início dessas criações é o brincar.”

Ute Craemer, educadora

Maternal

A criança pode ingressar no maternal do Micael a partir dos 2 anos de idade.  A sala conta com uma professora e uma professora assistente e tem o aconchego de uma casa. As atividades seguem um ritmo suave: há o brincar dentro e o brincar fora, o momento do ritmo de época, de ouvir contos de fadas, de desenhar, ouvir o kântele, cuidar da horta e preparar o pão. O lanche é o momento de aprender a venerar e apreciar os alimentos, sempre bem variados e saudáveis. Quando há colheita na horta, cenouras, rabanetes, pepinos e o que mais a terra tiver oferecido também vão para a mesa.
  • Vivência de culinária
  • Fazendo o bolo do aniversariante do dia
  • O aconchego de uma casa
  • Respeito ao faz de conta
  • Brincar livre no caramanchão
  • Brincar livre no caramanchão
  • Muito verde e espaço para brincar
  • Contato com a natureza
  • Vivência de culinária
  • Fazendo o bolo do aniversariante do dia
  • O aconchego de uma casa
  • Respeito ao faz de conta
  • Brincar livre no caramanchão
  • Brincar livre no caramanchão
  • Muito verde e espaço para brincar
  • Contato com a natureza

Jardim de Infância

As turmas de jardim de infância do Colégio Micael são formadas por crianças a partir de 4 anos, que permanecem no jardim até o momento de ingressar no 1º ano. 
Durante o período em que os alunos ficam na escola, a alternância entre o brincar livre e as atividades dirigidas em grupo funciona como uma grande respiração — expansão e contração. Nessa fase, o aprendizado se dá pela imitação. Por isso a atitude do adulto é tão importante.
Em todos os momentos, as crianças trabalham, de maneira lúdica, a coordenação motora ampla e fina, os sentidos, a concentração, a linguagem oral, a orientação espacial, a lateralidade e a socialização.
Veja nos tópicos e no vídeo a seguir como essas atividades se desenrolam:
  • É o tempo do brincar na classe. Em grupos ou individualmente, as crianças constroem cabanas, viram a cadeirinha de cabeça para baixo para fazer de conta que é um carro, um foguete… Enquanto alguns brincam, outros preferem desenhar livremente. Nesses primeiros momentos, a professora propõe atividades específicas para cada dia da semana: moer trigo, preparar o pão, fazer modelagem com cera de abelha, pintar aquarela, passar roupinhas, cuidar da horta, fazer euritmia ou tocar kântele (essas duas últimas, conduzidas por professoras especializadas).
  • Atividade dirigida pela professora da classe e realizada num grande círculo. Uma estória é elaborada com versos, canções e sincronizada com movimentos. O conteúdo é escolhido de acordo com as estações do ano, os acontecimentos da natureza, as festas cristãs ou as necessidades de cada grupo. Cada época tem a duração de três semanas.
  • As crianças lavam as mãos, fazem o verso de agradecimento e comem o lanche trazido de casa, preferencialmente pão integral e uma fruta fresca ou seca. As famílias são orientadas a não mandar doces, bolinhos, sucos industrializados e outras guloseimas.
  • Os pequenos brincam no tanque de areia, pulam corda, amarelinha, sobem nas árvores e correm um bocado.
  • Numa grande roda, os alunos fazem brincadeiras musicais com mãos e dedos. A professora então encerra o dia com um conto de fadas. O mesmo conto é trabalhado por duas ou três semanas.
  • ” Até amanhã, boa tarde!
       Para casa eu vou voltar.
       Agradecemos o lindo dia e
       a sua companhia.”

Veja também

  • O kântele é um instrumento de cordas típico da região da Lituânia e da Finlândia e está profundamente enraizado nos hábitos culturais desses povos. É tocado em escala pentatônica, a primeira escala conhecida pelo homem, a escala primordial. Quando a criança nasce, e nos primeiros sete anos de sua vida, ela se encontra ligada a essa escala também.
    No Micael, as crianças têm contato com o kântele desde o maternal. As professoras tocam o instrumento, que acalma e contribui para a concentração, durante histórias e cantigas. Quando estão no último ano do jardim de infância, os alunos vivenciam a experiência de tocar o kântele em aulas conduzidas por uma profissional especializada.
  • Euritmia é uma arte de movimento criada por Rudolf Steiner no início do século XX e que faz parte do currículo de toda escola Waldorf, do jardim de infância ao final do ensino médio.
    No jardim, a euritmia é elementar, no sentido de simples, essencial. Tudo o que depende de raciocínio, compreensão e contagem exige da criança uma atitude racional, que a distancia da vivência elementar dessa arte.
    A tarefa do educador no primeiro setênio é permitir que a criança aprenda, por meio da imitação de tudo o que a rodeia, a andar, falar e pensar.
    Andar não é apenas locomover-se verticalmente pelo espaço, mas colocar-se em equilíbrio no mundo. Num primeiro momento, esse equilíbrio é, sim,  físico, mas os aspectos do equilíbrio anímico também precisam ser desenvolvidos. A euritmia contribui para isso, pois trabalha, simultaneamente, o corpo físico e nuances da alma, possibilitando que a criança adquira um andar pleno, em seu sentido mais amplo.
    Por meio das rodas, as pequenas histórias versadas e ritmadas que se repetem durante algumas aulas, a criança se apropria da linguagem de forma artística, assim como das direções do espaço que a rodeia. De maneira ainda inconsciente, conquista a tridimensionalidade do espaço, tornando-se mais segura e autônoma.
  • No final do outono, quando as noites vão ficando mais longas, a natureza e o próprio homem dão início a um impulso de contração e interiorização. O friozinho convida à introspecção e à busca de nossa luz interior.
    Na educação infantil essa época é vivenciada lindamente durante a Festa da Lanterna, quando os pequenos percorrem a escola depois do pôr do sol carregando lanternas que ajudaram a confeccionar. O pequeno facho que levam com tanto zêlo simboliza a luz de cada um, que precisa ser cuidada, mas que também pode ajudar a iluminar o caminho do outro.
    Nas semanas anteriores à festa, as crianças vivem intensamente os preparativos para o momento da procissão, cantando canções e ouvindo a história da Menina da Lanterna, que no grande dia é encenada pelos pais dos alunos que irão para ensino fundamental no ano seguinte.
    “Minha luz vou levando, sempre dela cuidando. Se alguém precisar, dela posso lhe dar”
  • Euritmia elementar
  • Euritmia elementar
  • Aula de kântele
  • Aula de kântele
  • A potência da imaginação
  • Brincar também é socializar
  • Vivência de aquarela
  • A caminho da aula de kântele
  • Janelas de uma das salas do jardim
  • Aula de jardinagem
  • Aula de jardinagem
  • Cantinho de época
  • O encanto das fadas
  • Euritmia elementar
  • Euritmia elementar
  • Aula de kântele
  • Aula de kântele
  • A potência da imaginação
  • Brincar também é socializar
  • Vivência de aquarela
  • A caminho da aula de kântele
  • Janelas de uma das salas do jardim
  • Aula de jardinagem
  • Aula de jardinagem
  • Cantinho de época
  • O encanto das fadas